30 de abr de 2008

A VITÓRIA DA PEUGEOT EM MONZA

Quem não conseguiu ver, aí vai um resumo da Le Mans Series no circuito de Monza. Mais uma vitória do Peugeot FAP 908 HDi, dessa vez com Pedro Lamy e Stephane Sarrazin. Uma corrida repleta de acidentes, incluindo o espetacular vôo do Courage-Oreca LC70 de Stéphane Ortelli que resultou em um tornozelo quebrado. Por muito pouco não atingiu o Audi de Rinaldo Capello. Impressionante.


28 de abr de 2008

VITÓRIA DE RAIKKONEN NA ESPANHA

Mais uma dobradinha da Ferrari.
Kimi venceu o GP da Espanha e dispara no campeonato. Uma corrida bem atípica, com muitos acidentes e poucas ultrapassagens. Talvez a grande surpresa desse fim de semana tenha sido a Renault de Fernando Alonso largar na primeira fila junto com Kimi. Nem dava pra acreditar no feito, mas estava lá, Kimi, Alonso, Massa e Kubica e depois as Mclaren. Raikkonen liderou a corrida de ponta a ponta sem nunca ser incomodado por nenhum dos seus adversários. Massa teve apenas um trabalho que não foi nem um pouco difícil. Ultrapassar Fernando na largada, deixando-o atrás das duas Ferraris. A Renault R28 estava indo muito bem. Depois de parar nos boxes o motor explodiu. A muito tempo eu não via um motor Renault explodir. Alonso só teve que estacionar o carro ao lado da torcida espanhola, descer, abanar pra galera e depois subir na moto e voltar para os boxes.


Algumas vezes, isso acontece com a gente. Infelizmente, foi no GP da Espanha, no meu país. Mesmo assim, saio entusiasmado com nosso desempenho, porque estávamos brigando por posições com as equipes de ponta”, falou Fernando. E foi realmente. Se analisarmos o R28 evoluiu muito. Nelsinho teve o azar de encontrar Sebastien Bourdais numa ultrapassagem e lá foram os dois "pras cucuia". Quebraram suas suspensões dianteiras após esbarrarem-se.

O grande susto ficou por conta da Mclaren de Kovalainen que após quebrar alguma coisa dentro da roda, estourou o pneu dianteiro deixando-o a deriva indo parar no muro de pneus. A batida foi a aproximados 220 Km/hora.
Um susto muito grande. Apesar de toda a proteção que o piloto tem, pensamos que em virtude de tamanha velocidade é quase impossível se chocar em algo fixo e sair vivinho. Mas graças a Deus ele passa bem.
De resto o normal. Massa em segundo, Hamilton e terceiro e Kubica em quarto.
O próximo evento é na Turquia daqui a duas semanas.

Fotos: PlanetF1.com
RacingPasion.com

21 de abr de 2008

ENTENDA A SOPA DE LETRINHAS - API

Hoje vamos entender um pouco sobre a sopa de letrinhas que vemos nos rótulos dos lubrificantes quando entramos em um posto de gasolina e temos que fazer a difícil tarefa de colocar o óleo recomendado pela concessionária no motor do nosso carro. Atualmente o Manual do Proprietário diz que devemos colocar um lubrificante que tenha a norma ou classificação mínima API SL e Acea A3. Isso até parece fórmula de matemática, mas não é nada disso. Trata-se de duas normas diferentes. API (American Petroleum Institute) e Acea (Associação dos Construtores Europeus de Automóveis). No exemplo que dei acima sobre API SL, seria a última classificação aprovada pelas montadoras. Atualmente já existe a norma API SM, mas ainda não temos veículos rodando no Brasil que exija aprovação SM no seu manual. A American Petroleum Institute, é a principal associação comercial para a indústria de petróleo e gás natural, representando cerca de 400 empresas envolvidas na produção, refino e distribuição. Uma das suas responsabilidades é a investigação toxicológica para com o meio ambiente. A API surgiu em 1945 impondo ao mercado automobilístico sua primeira classificação. Para os carros movido a gasolina o lubrificando indicado para o motor deveria ser SA e para os carros movidos a diesel deveria-se usar uma classificação CA. A primeira letra indica o tipo de motor e a segunda letra indica o tipo de performance. Inicialmente mostraremos a performance das classificações dos motores a gasolina, álcool e gás natural.

Veja abaixo a evolução das classificações:
1945 - SA
1980 - SF
1988 - SG
1993 - SH
1995 - SJ
2001 - SL

Entenda: Se você tem um Chevrolet Opala 1980 poderá colocar um lubrificante no seu motor com classificação API SF, mas também poderá colocar um lubrificante com classificação API SL, porque esta última supera a primeira. Mas se você tiver um Volkswagen Gol Geração 4 ano 2006, não poderá colocar um lubrificante com norma API SF, pois ela é muito inferior a classificação indicada pelo Manual do Proprietário que pede API SL.

Observe os quadros a seguir. Imagine que temos inúmeros problemas em um motor. Os quais aparecem em cada ponta dessa teia. Oxidação, depósito no motor, ferrugem, corrosão, desgaste, depósito no pistão e cisalhamento (quando o filme do lubrificante se rompe e provoca o contato das partes de metal).



Vemos a seguir a performance de um lubrificante cuja a classificação é SE, proibida ainda este ano pela Agência Nacional do Petróleo (ANP), antigos lubrificantes com viscosidades SAE 40, 50, 30, com pouco pacote de aditivação.




A seguir veremos um lubrificante que terá melhor performance que este acima. Os lubrificantes com API SF, geralmente tem viscosidade SAE 20W50. São classificados como Multiviscosos, ou Multigrau. Isto favorece a partida a frio, onde existe a maior parte do desgaste do motor.




Observe que as classificações estão evoluindo e assim protegendo mais o motor dos problemas apresentados.
Em 1988 surgiu a classificação SG e em 1993 surgiu a SH. Poucas utilizadas no Brasil.



Em 1995 com a evolução dos motores injetados, alcançando temperaturas bem mais altas que os veículos carburados surgiu a classificação API SJ, usada ainda por algumas montadoras em seus manuais



No ano de 2001 surgiu uma nova classificação exigida hoje pela maioria das montadoras em seus manuais. Os novos carros devem usar a classificação mínima API SL a fim de proteger o motor de altas temperaturas fazendo que o óleo não queime, evitando assim o surgimento da borra que provoca entupimentos nas galerias. Veja o quadro abaixo a comparação de um lubrificante API SJ e SL.




Com a evolução dos novos motores foi preciso também que o lubrificante evoluisse. Além da Norma API SL, ainda existe a viscosidade que devemos nos preocupar. Esta ainda é um pouco mais complexa. Para entender sobre viscosidade clique aqui.
Fique atento na hora da troca de óleo. Não esqueça de trocar os filtros de óleo e de ar. A manutenção correta ainda é o melhor remédio para manter seu veículo em boas condições de uso. Até a próxima.

Fonte dos gráficos: Lubrizol
API: Wikipedia

16 de abr de 2008

TESTES COM NOVA CARENAGEM NO R28


Na tentativa de salvar o péssimo desempenho da Renault nesse início de campeonato, Fernando Alonso foi visto nos testes em Barcelona com uma nova caranagem sobre o motor, o mesmo visto pela Red Bull. Ainda não é nada oficial, mas a capota tipo "shark fin" veio apenas para testar o desempenho do R28, melhorando o fluxo de ar na traseira, provocando maior estabilidade na pista. Não se sabe se vai ficar assim ou não. Os resultados dos testes é que vão dizer. Será que melhora?

Fonte: Autosport
Foto: GPUpdate

6 de abr de 2008

A DECEPÇÃO DA HORA


Talvez a maior decepção do campeonato seja mesmo a Renault. Muita esperança de torcedores do mundo todo, mas infelizmente esse ano vai ser extremamente difícil chegar a alguma posição confortável. Nelsinho não consegue terminar uma corrida se quer. Sempre com problemas no carro. Mostra trabalho, mas não tem o retorno esperado. No GP do Baren, antes mesmo de iniciar a corrida falou aos engenheiros que estava com problemas com a segunda marcha.

Já Fernando Alonso mostra-se experiente ao pilotar sua Renault. É nítida tamanha dificuldade de manter-se entre os 10 primeiros lugares. É um trabalho de herói, literalmente. Talvez somente esse herói possa levar a equipe francesa, mesmo se arrastando do jeito que está a alguma posição melhor. Uma missão extremamente difícil. Com certeza seria mais fácil correr nos mini games portáteis da Sony onde Fernando vive em mundo chamado Sector97.

Já que vivemos em um mundo real e a competição é realmente voraz, nos resta observar e fazer a crítica para que ela repercuta e chegue aos olhos e os ouvidos dos engenheiros da Renault.


Foto: Total Competition